Mantega vê 'inferno astral' na área fiscal

Em conversa com interlocutores, o ministro Guido Mantega (Fazenda) reconheceu que o governo está vivendo seu “inferno astral” na área fiscal e que, neste ano, o superavit primário (economia do governo para pagar juros da dívida) “não será o dos nossos sonhos”.

A avaliação reservada do ministro difere da difundida publicamente pelo governo por admitir que “este ano está sendo difícil” na área.

O ministro discorda, porém, de avaliações alarmistas sobre o quadro fiscal brasileiro e comentou que, mesmo sendo este um momento ruim, o superavit primário será o “suficiente para manter a estabilidade das contas públicas e da economia”.

O setor público registrou deficit primário (arrecadação do governo menos os gastos, exceto juros da dívida) recorde em setembro. Nos nove primeiros meses de 2013, seu superavit foi de apenas R$ 44,9 bilhões (1,28% do PIB), bem abaixo da meta de R$ 111 bilhões (2,3% do PIB).

Apesar de afirmar que o governo ainda persegue a meta de 2,3% de superavit primário, o próprio ministro, reservadamente, sinaliza que não deve ser possível cumpri-la integralmente.

“Estamos nos empenhando para cumprir o máximo possível da meta”, comentou a interlocutores, ressaltando que, mesmo assim, o Brasil fará um dos maiores superavit do mundo, suficiente para manter a dívida pública brasileira sob controle.

Mantega diz que o Brasil não vai perder o seu grau de investimento –nota concedida pelas agências de classificação a economias consideradas com baixo risco de calote. Para o ministro, a avaliação das agências sobre a política fiscal vai melhorar no próximo ano, que, garante, será “bem melhor”.

A certeza do ministro está depositada, segundo ele, em ações que serão tomadas nos próximos meses. A interlocutores, revelou que o governo vai reverter, ao longo do próximo ano, as desonerações de impostos de bens duráveis –veículos e linha branca.

Isso será possível, segundo ele, porque o “apetite do consumo está voltando, de forma moderada”.

O ministro repetiu ainda que o governo vai reduzir os créditos para os bancos públicos, como BNDES e Caixa, e vai rastrear e cortar despesas em todas as áreas.

Para ele, essas iniciativas, associadas a uma recuperação da economia e à melhora dos lucros das empresas, vão aumentar a receita e melhorar as contas públicas.

Indagado, Mantega disse a interlocutores que o governo ainda não definiu qual será sua meta de superavit primário ajustada para o próximo ano. Na proposta de Orçamento, é de 3,1% do PIB e seguirá nesse patamar. Segundo ele, uma meta maior funciona como um desafio para todo o setor público.

Neste ano, o governo decidiu ajustá-la para 2,3%. Para o próximo, de eleição presidencial, o mercado trabalha com uma meta de no máximo 1,8%. O patamar é considerado razoável por analistas, que criticam, porém, o que consideram tentativas de esconder resultados negativos, nos discursos e pelo uso de manobras contábeis.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje