Indústria fraca reduz previsões para o PIB

Bancos e consultorias revisaram para baixo as previsões de crescimento da economia para o primeiro trimestre e para o ano, após o IBGE divulgar uma recuperação da indústria em março abaixo do que era esperado.

O Bradesco reduziu de 3,5% para 2,8% a estimativa de expansão do PIB neste ano e de 4% para 3,5% a para 2014.

“Nossa revisão foi influenciada pela incorporação recente de resultados mais fracos de atividade econômica”, disse em relatório Octavio de Barros, diretor de pesquisas e estudos econômicos.

A indústria, que encolheu 0,5% no primeiro trimestre, tem participação de 25% no PIB, segundo o IBGE, que vai divulgar os dados da atividade econômica no fim do mês.

A consultoria Tendências projetava expansão de 1,1% no primeiro trimestre ante os três meses anteriores, número que está sendo revisto e deve ficar entre 0,8% e 0,9%. Na comparação anual, a estimativa caiu de 2,2% para 2%.

“Temos visto uma indústria errática e com sinais de recuperação lenta”, afirma Alessandra Ribeiro, economista da Tendências.

A consultoria LCA previa alta de 1,3% no PIB nos três primeiros meses do ano, número que passou para 1,2%. A estimativa para 2013 caiu de 2,8% para 2,6%.
O Itaú estuda rever as projeções (veja quadro).

O RESULTADO

Após o tombo de 2,4%, a produção industrial teve leve alta de 0,7% em março ante o mês anterior.

Apesar de ter sido beneficiada por diversas medidas de estímulo, a indústria ainda apresenta uma frágil retomada, afirmam especialistas.

“O cenário mostra que deveremos ver ao longo do ano as altas se alternando com as baixas”, diz Fernanda Consorte, economista do Santander, que não mudou as projeções.

“A indústria mostra melhora neste início de ano, mas não quer dizer que vai muito bem. Ainda há uma distância a ser percorrida em relação aos patamares em que o setor já operou”, afirma André Macedo, técnico do IBGE.

Segundo ele, há uma diferença de 3,7% entre o dado de março e o de maio de 2011, patamar recorde.

A alta mensal atingiu 13 dos 27 setores analisados pelo IBGE.

A indústria de veículos, uma das beneficiadas pelas medidas de estímulo do governo, teve a maior influência positiva. A produção subiu 5,1% em março, eliminando parte da queda de 8,1% verificada no mês anterior.

O economista da LCA Rodrigo Nishida destaca também o desempenho positivo da produção de bens de capital (máquinas e equipamentos), o que sinaliza retomada dos investimentos.

“Em 2012, foi exatamente esse setor que puxou o resultado para baixo.”

O setor teve alta de 11,7% nos três primeiros meses do ano, considerando as taxas acumuladas por mês.

Já a indústria de alimentos teve o maior peso negativo no resultado, com queda acumulada de 4% nos últimos dois meses da pesquisa.

Os principais motivos para a retração foram a inflação em alta e as exportações menores.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje