Ford anuncia paralisação da produção em setembro

Mais uma montadora, a Ford, informou ontem aos trabalhadores que vai suspender produção em setembro em razão da baixa demanda do mercado e da falta de perspectivas de recuperação de vendas. É a sexta fabricante de veículos a anunciar paradas no próximo mês.

A unidade da Ford em São Bernardo do Campo (SP) suspenderá toda a produção de automóveis e caminhões no dia 4. De 18 a 4 de outubro ela volta a parar a linha de caminhões, e de 21 a 25 a de automóveis, segundo informa o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. As paradas vão envolver cerca de 2,7 mil trabalhadores.

A Ford confirma apenas a parada do dia 4 no ABC, além de novo período de férias coletivas para cerca de 2,8 mil trabalhadores da unidade de Camaçari (BA), de 14 de setembro a 2 de outubro, “para ajustar os níveis de produção à demanda”.

Também vão paralisar toda a produção ou parte dela, em diferentes períodos do próximo mês, a Volkswagen, em São José dos Pinhais (PR), a General Motors, em Gravataí (RS), a Mitsubishi, em Catalão (GO), a Fiat, em Betim (MG), e a Chery, em Jacareí (SP).

A GM também não opera hoje as linhas de montagem da fábrica de São Caetano do Sul (SP) e os cerca de 5 mil funcionários da produção ficarão em casa, no chamado “day-off”.

Em Caxias do Sul (RS), os cerca de 7 mil trabalhadores da Marcopolo, fabricante de carrocerias de ônibus, aprovaram por mais três meses (de setembro a novembro) a jornada flexível em que eles deixam de trabalhar seis dias por mês. Metade dos dias parados é bancada pela empresa e metade pelo trabalhador. A medida vem sendo adotada desde março.

A Caoa/Hyundai está operando apenas cinco dias por semana na fábrica de Anápolis (GO).

Mercedes-Benz

Dirigentes do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC e da Mercedes-Benz retomaram ontem negociações para tentar reverter as 1.500 demissões anunciadas pela empresa, que alega ter 2 mil trabalhadores excedentes. Após 6 horas de discussões, não houve acerto e as partes voltam a se reunir hoje. Os cerca de 7 mil trabalhadores da produção estão em greve desde segunda-feira.

Hoje, trabalhadores da Volkswagen em Taubaté (SP) realizam assembleia para avaliar nova proposta de acordo salarial negociada ontem entre a empresa e o Sindicato dos Metalúrgicos local.

As bases da proposta não foram reveladas. Os cerca de 5 mil funcionários da unidade estão em greve desde o dia 17. A paralisação foi decretada após a montadora demitir 50 operários.

Antes, os funcionários haviam recusado proposta da empresa de congelamento de salários em 2016 e plano de antecipação de aposentadorias, similar ao que foi aprovado na fábrica de São Bernardo e que evitou 800 demissões. Depois do acordo, a montadora abriu um programa de demissão voluntária (PDV) e obteve número próximo a esse em adesões.

Fonte: O Estado de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje