“Falta vergonha na cara ao legislativo”, diz dirigente da Transparência Brasil

Diretor-executivo da Transparência Brasil, uma das ONGs de controle do poder e de combate a corrupção mais importantes do país, o jornalista Claudio Weber Abramo avalia que a manutenção de mandato aos condenados no mensalão aprofunda o fosso entre sociedade e Congresso e justifica o descrédito nos políticos. Ele afirma que o silêncio do legislativo que, em vez de pressionar pela renúncia de João Paulo Cunha (PT-SP), Pedro Henry (PP-MT) e Valdemar Costa Neto (PR-SP) ainda empossou José Genoino (PT-SP), configura uma crise institucional séria envolvendo Câmara e Senado e revela uma constrangedora realidade: “Falta vergonha na cara ao conjunto da instituição”, lamenta Abramo nessa entrevista ao Poder Online.

Que avaliação o senhor faz da manutenção dos mandatos dos condenados no mensalão?

O absurdo é a lentidão da justiça, que pode demorar até um ano para concluir o julgamento. Isso significa que até lá, formalmente, eles podem exercer.

O que eles deveriam ter feito?

É óbvio que se tivessem vergonha na cara, o que eles não têm, teriam renunciado.

A posse de Genoino constrange o Congresso?

Se fosse constrangedor teria aparecido algum tipo de pressão para evitar a posse (de Genoino) e a manutenção dos mandatos dos outros. Mas não houve. Isso mostra o quanto está desacreditado o ambiente político brasileiro.

O que isso significa?

Justifica a falta de confiança generalizada não só no Congresso como nos partidos políticos. Configura uma crise institucional séria, envolvendo todo o poder Legislativo brasileiro.

O senhor esperava alguma reação no Congresso contra a permanência dos condenados?

Não. Dos congressistas sempre espero o pior. Falta vergonha na cara ao conjunto da instituição.

Que efeito pode ter na luta contra a corrupção?

É claro que ajudar a melhorar as coisas, não ajuda.

Que tipo de trabalho esses deputados podem desempenhar?

O que façam ou deixem de fazer é irrelevante. O que é relevante é a manutenção deles – como de dezenas de outros já condenados em segunda instância por crimes diversos – no Legislativo.

Não soa surreal o PT defendendo agora a reforma política?

É na verdade completamente lógico. Explico: a ideia de proibir o financiamento privado em eleições (o financiamento público exclusivo) é filhote do mensalão. Como apareceram com a desculpa de que as propinas pagas tinham a ver com caixa 2 eleitoral (não tinham, como se provou), inventaram que o financiamento privado de eleições foi o motivador do esquema.

Agora, os idealizadores dessa estratégia que já se revelou furada continuam a insistir na coisa porque carrega água para o moinho de que as condenações do processo do mensalão teriam sido políticas.

Em outras palavras, essa história não passa de jogo de cena.

O que não quer dizer que o financiamento eleitoral brasileiro não tenha problemas sérios – mas esse é outro assunto. Fonte: IG

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje