Economia produtiva diminui desigualdade, dizem especialistas

A América Latina continua a região mais desigual do planeta. Entre 2000 e 2007, a desigualdade reduziu entre 10% e 20% em países como Argentina, Bolívia, Brasil, México e Uruguai.

Apesar dos grandes avanços nos últimos anos, a desigualdade social é um dos grandes desafios da região. Uma das principais armas para o combatê-la é o aumento da produtividade das economias.

“Se não aumentarmos a produtividade, não vamos conseguir aumentar a inclusão social”, diz Santiago Levy Algazi, vice-presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento, em Santiago, no Chile, durante a conferência que trata dos desafios do crescimento na América Latina, promovida pelo Fundo Monetário Internacional.

Para os especialistas, quando uma economia é mais produtiva, ela gera mais riqueza e empregos e, portanto, tem potencial de diminuir a pobreza e as desigualdades sociais.

Ricardo Paes de Barros, um dos maiores especialistas em políticas sociais no Brasil e secretário de Ações Estratégicas da Secretaria de Assuntos Estratégicos (SAE) do governo federal, disse em Santiago que é preciso aumentar a produtividade da economia brasileira – indicador que está estagnado nos últimos anos – para continuar a reduzir a desigualdade no país.

“Não temos que pensar na produtividade da elite da economia, pois as grandes empresas brasileiras têm poder de barganha e conseguem arranjos, seja no BNDES ou no legislativo, que as permitem viver. Trata-se do aumento da produtividade do meio da economia, com a expansão da eficiência nas pequenas e médias empresas.”

De acordo Paes de Barros, é preciso elevar, sobretudo, a produtividade das empresas no setor de serviços. “O sucesso da Coreia foi baseado no avanço incrível da produtividade do setor de serviços.”

Como fazer

Entre as medidas que podem elevar a produtividade da economia brasileira, uma delas é melhorar a infraestrutura. “Não se pode produzir soja no Mato Grosso e metade da produção ficar no meio do caminho porque a estrada é muito ruim.”

Outro ponto é melhorar o ambiente de negócios para que o pequeno e médio empresário criativo consiga se desenvolver. “Se não houver um bom ambiente de negócios, oportunidades lucrativas não são aproveitadas e não há crescimento.”

Paes de Barros também diz que é preciso investir no progresso tecnológico. “O Brasil fica preocupado com o avanço da indústria aeroespacial, mas não copia o básico. Os saltos que geram ganhos de produtividade, dia após dia, são aqueles baseados em copiar as melhores práticas.”

Fonte: Exame

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje