Derrotados na última eleição buscam abrigo na vida partidária

Nomes de peso e tradição na Câmara dos Deputados viram seus planos de renovar o mandato fracassados nas eleições deste ano. Se alguns parlamentares tentaram trocar de posto em disputas majoritárias e acabaram fora do Congresso Nacional na próxima legislatura, outros não se atreveram a tanto, mas mesmo assim se viram derrotados. Nomes como Penna (PV-SP), Roberto Freire (PPS-SP), Devanir Ribeiro (PT-SP), Guilherme Campos (PSD-SP) e Cândido Vaccarezza (PT-SP) são alguns exemplos. O iGconversou com alguns deles e a direção partidária parece o caminho natural para esses quase ex-deputados.

Ex-senador e presidente nacional do PPS, Roberto Freire não conseguiu os votos necessários para continuar na Câmara. Ele, que já foi também deputado estadual por Pernambuco e por seis mandatos deputado federal, diz que o caminho agora é tocar o partido. “Vou continuar a fazer o que sempre fiz, só que agora sem o exercício de um mandato”, resume Freire, que vem liderando o PPS desde sua fundação, em 1992, a partir de desmembramento do antigo PCB.

Freire faz uma rápida análise da derrota eleitoral e considera que talvez o eleitor de São Paulo, acostumado a vê-lo ao lado dos tucanos, possa ter visto seu movimento rumo a Marina Silva (PSB) com alguma estranheza – o PPS apoiou a então candidata no primeiro turno. “Tenho a impressão de que em São Paulo (capital), onde tive maior votação, o apoio a Marina talvez tenha diminuído minha votação. É um eleitor que sempre associou minha luta com o PSDB”, avalia ele.

Se a tese de Freire é ou não precisa, o fato é que a força do PSDB se verificou de forma clara no Estado. No primeiro turno da disputa presidencial, Aécio Neves (PSDB) terminou em primeiro lugar com 44,22% dos votos (totalizando mais de 10 milhões de votos em São Paulo). A presidente Dilma Rousseff (PT) ficou em segundo, com 25,82% dos votos, seguida de perto por Marina Silva (PSB), que obteve 25,09% em território paulista. Além disso, Geraldo Alckmin (PSDB) acabou reeleito no primeiro turno, com 57,31% dos votos, e José Serra (PSDB) desbancou Eduardo Suplicy (PT), se elegendo senador por São Paulo com 57,92% dos votos.

Conservadorismo

Outro dirigente nacional também acabou derrotado em 2014. Penna, presidente nacional do PV, não obteve a reeleição. Sem mandato, seu futuro é parecido com o que projetou Freire para si. “Sou dirigente nacional do partido. Sou isso primeiro e depois parlamentar. Agora, serei isso sem o Parlamento”, resume Penna. “Quero observar a partir de agora o que posso fazer para ajudar o partido e o País. Ser deputado não é profissão. Ser representante popular não pode ser profissão.” Ele, que também é músico, afirma que passará a dedicar mais tempo à carreira de artista.

Na avaliação de Penna, a derrota veio em função de uma dicotomia muito acentuada do eleitorado. Nesse espectro, o PV, segundo ele, optou por uma agenda progressista com discurso de vanguarda aglutinado na candidatura de Eduardo Jorge. Jorge defendeu uma legislação menos rígida que a atual para a questão do aborto, propôs uma nova abordagem no debate do casamento homossexual e criticou até aliados por questões sociais.

Fonte: IG

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje