Deputados da base do governo são sorteados para relatar processo contra Cunha

Três deputados da base governista foram sorteados há pouco para relatar o processo contra o presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Os três selecionados são Zé Geraldo (PT-PA), Vinicius Gurgel (PR-AP) e Fausto Pinato (PRB-SP).

A partir do sorteio deles, o presidente do Conselho de Ética, José Carlos Araújo (PSD-BA), selecionará um deles para ser o relator. Araújo já adiantou que anunciará o escolhido até amanhã.

“Deixo de fazer nessa sessão o anúncio do escolhido para conversar com os três, para a partir daí, eles me apresentarem seus planos de trabalho. Aí o presidente tem a prerrogativa de escolher um dos três”, afirmou Araújo. No começo da sessão, o presidente já havia anunciado que estavam fora do processo de escolha os deputados do PMDB e aqueles do Rio de Janeiro, respectivamente o partido e o Estado de Cunha.

Também ficaram de fora do processo de escolha Cacá Leão (PP-BA) e Wladimir Costa (SDD-PA), que estão de licença médica. Também foi retirado da lista de possíveis selecionados o deputado Júlio Delgado (PSB-MG), que foi adversário de Cunha na disputa para a presidência da Mesa Diretora da Casa.

“Vou atender ao apelo de vossa excelência. Peço que retire meu nome desse primeiro sorteio”, afirmou Delgado atendendo ao pedido do presidente do Conselho de Ética. O deputado havia participado da seleção dos demais sorteios para as outras duas representações. 

O prazo total para a tramitação do processo no Conselho de Ética é de 90 dias. Dessa forma, ele se estenderá até abril de 2016, já que o recesso parlamentar vai de 23 de dezembro a 1º de fevereiro. Esse prazo pode ser estendido por outros 30 dias.

Cunha é alvo de representação conjunta do PSOL e da Rede por supostamente ter mentido em sua fala na CPI da Petrobras, ocasião em que negou ter contas na Suíça. Documentos enviados por procuradores daquele país associam o presidente da Câmara à suposta titularidade de quatro contas.

Sorteados

Um dos escolhidos, o deputado Vinicius Gurgel (PR-AP) disse que as provas contidas na representação são suficientes para dar continuidade ao processo e rejeitou a possibilidade de um relatório preliminar pedindo o arquivamento do processo. “Pelas provas que se apresentam, acredito que não”, resumiu o parlamentar. Já Fausto Pinato (PRB-SP) deixou a sessão rapidamente e ao sair disse apenas que se for escolhido aceitará a tarefa. O deputado disse não ter medo de relatar o processo contra Cunha.

O petista Zé Geraldo acabou sendo o mais visado ao deixar a sala em que foi realizada a sessão do Conselho de Ética. Ele afirmou haver indícios fortes contra Cunha e negou a possibilidade de engavetar o processo caso seja o escolhido por Araújo. “Sendo relator tenho de relatar, não posso engavetar”, declarou. “[Se for escolhido] vou cumprir o meu papel. Desde quando vim aqui para o Conselho de Ética sabia que a missão aqui seria dura”, acrescentou. O petista negou também quaisquer possibilidades de pressões do PT sobre si caso seja escolhido para a relatoria.

Outros sorteios

Foram realizados ainda outros dois sorteios para relatorias de outras duas representações. Betinho Gomes (PSDB-PE), Nelson Marchezan Júnior (PSDB-RS) e Washington Reis (PMDB-RJ) compõem a lista tríplice para a escolha da relatoria da representação contra o deputado Alberto Fraga (DEM-DF). Paulo Azi (DEM-BA), Leo de Brito (PT-AC) e novamente Vinicius Gurgel (PR-AP) foram os sorteados para relatar representação contra Roberto Freire (PPS-SP). Ambos foram alvos de representação do PCdoB por fatos ocorridos durante sessão a votação da MP 665/14.

Na ocasião, a líder do PCdoB, deputada Jandira Feghali (RJ), acusou Freire de agressão. O deputado chegou a pedir desculpas à colega. Na sequência, Fraga pediu a palavra para fazer a defesa de Freire e fez uma declaração polêmica. “Mulher que bate como homem tem de apanhar como homem”, afirmou.

 
Fonte: iG

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje