Debate em universidade onde Moro leciona vira ato a favor de Lula

UFPR1

As escadarias da Faculdade de Direito da UFPR (Universidade Federal do Paraná), onde leciona o juiz Sergio Moro, foram palco de um ato a favor do ex-presidente Lula e de críticas ao juiz responsável pela Operação Lava Jato.

Às 19h, estava marcado o início, no salão nobre, do debate entre especialistas de direito chamado Ato Suprapartidário contra a Democracia, com críticas a procedimentos judiciais da Operação Lava Jato.

Como é costume, uma vez que o auditório lotou, parte do público concentrou-se nas escadarias para assistir ao debate por um telão, do lado de fora.

Minutos antes, porém, um grupo a favor do impeachment de Dilma, com bandeiras do Brasil, posicionou-se nas escadarias, dando início a provocações mútuas. A reportagem presenciou uma das mulheres do lado anti-Dilma gritando: “Cadê o pão com mortadela?” e “Vocês não podem cantar o Hino Nacional!”, ao que manifestantes pró-governo federal gritavam: “Não vai ter golpe!” e “Fora Sergio Moro”.

Membro do Movimento Brasil Livre, Flavio Cella disse que o grupo soube do debate e decidiu fazer um protesto silencioso nas escandarias. “A gente é contra a visão deles, de ser contra a PF e o Sergio Moro.”

Entre eles, lamentavam que poucas pessoas de seu lado estavam presentes, apesar da convocação que fizeram.

Meia hora depois do clima de tensão, o grupo anti-Dilma saiu das escadarias, sob gritos de “Não vai ter Golpe”.

O início dos debates foi marcado por frases de apoio ao ex-presidente Lula como líder político, à “espetacularização da mídia” e de críticas à chamada “politização do Judiciário”. Trechos de cada fala eram pontuados por aplausos e gritos “contra o golpe” e contra o juiz Moro.

Na palestra, também foi criticada a interceptação telefônica autorizada pela Justiça, que revelou conversa entre o ex-presidente Lula e a presidente Dilma Rousseff, sem ter ocorrido aval do STF (Supremo Tribunal Federal), já que a presidente possui foro privilegiado.

O ato reúne professores de diferentes áreas, como do direito penal, civil, de prática jurídica e do direito público.

A escolha do salão nobre da Faculdade de Direito da UFPR, segundo os organizadores, não tem relação com o juiz Moro, mas sim pelo fato de ser um local histórico de debates em Curitiba e da defesa dos valores democráticos. Em 1972, por exemplo, em plena ditadura militar, foi o local escolhido para ser redigida a “Declaração de Curitiba”, em defesa da democracia.

Fonte: Folha de São Paulo

 
 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje