CNBB não comenta polêmica com Feliciano e pede ‘valorização’ de comissão

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) evitou se pronunciar ontem sobre a permanência do deputado Marco Feliciano (PSC-SP) à frente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara, mas exortou o Congresso a “valorizar” o órgão.

“Não me parece que a CNBB tenha intenção de se pronunciar, a não ser no sentido de insistir cada vez mais que a Comissão de Direitos Humanos seja valorizada pelo próprio Congresso”, disse ontem d. Dimas Barbosa, porta-voz da entidade, durante o 51º encontro anual da CNBB, em Aparecida (SP).

Por outro lado, Barbosa discordou da declaração de Feliciano, feita em 2011 via Twitter, segundo a qual os africanos foram amaldiçoados por Noé. “Na realidade, nós é que levamos problemas”, disse.

O encontro da CNBB é o primeiro sob o papado de Francisco e acontece às vésperas da Jornada Mundial da Juventude.

Na pauta, os principais temas estão comunicação, a configuração de uma nova paróquia, a questão agrária e a participação da Igreja Católica nas eleições.

Os bispos devem aprovar, durante o evento, um documento, em discussão há mais três anos, sobre estratégias de comunicação da igreja, que, no Brasil e em outras partes do mundo, sofre com a evasão de jovens, a falta de vocações e a concorrência das igrejas pentecostais.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje