Base aliada de Dilma diverge sobre reforma política

As bancadas dos dois maiores partidos de sustentação do governo, o PMDB e o PT, apresentaram na Câmara dos Deputados propostas de reforma política cujos principais pontos não contemplam as sugestões enviadas pela presidente Dilma Rousseff ao Congresso.

Após as manifestações de rua de junho, a presidente encaminhou sugestões para um plebiscito sobre o tema, mas a ideia foi considerada inviável e rejeitada pela maioria dos líderes partidários.

O texto rascunhado pelo PMDB tem dois pontos centrais: o fim da reeleição para o Executivo a partir de 2018 e doações de campanha exclusivas para os partidos.

A ideia de restringir as doações às legendas é alvo de críticas do Ministério Público Eleitoral.

Como a arrecadação e a distribuição do dinheiro seriam centralizadas nos partidos, não seria possível ligar diretamente os políticos a seus financiadores, reduzindo a transparência das prestações de contas.

O porta-voz da proposta do PMDB foi o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN). Segundo ele, o fim das doações para candidatos é para evitar “distorções e especulações que não podem mais acontecer”, já que a medida elimina o vínculo entre doadores e políticos beneficiados. “É muito transparente”, disse Alves.

Em outra frente, os petistas estudam uma proposta de plebiscito para a reforma política, numa tentativa de oferecer uma saída honrosa para a iniciativa de Dilma.

O partido precisa reunir 171 assinaturas para discutir o plebiscito na Câmara.

O texto inicial, que desidratou a proposta do Planalto, foi apresentado ontem ao PC do B, ao PSB e ao PDT, mas não agradou.

O esboço do PT tinha cinco perguntas, sendo que dois temas do governo foram reformulados e outros três ficaram de fora, sendo substituídos por novos temas, como a ideia de uma cota para mulheres no Legislativo.

O líder do PT, José Guimarães (CE), vai rever a proposta e reduzi-la a três pontos.

No Planalto, a avaliação é de que o ponto central a ser discutido é o modelo de financiamento das eleições, se público, privado ou misto.

PRAZO

A comissão para discutir a reforma política terá 90 dias para a apresentar suas propostas. De acordo com Henrique Alves, o que o Congresso aprovar será submetido a um referendo.
Essa ideia se choca com a intenção do Planalto e do PT, que é a de patrocinar um plebiscito para aprovar as mudanças no sistema político.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje