Youssef pode ser convocado no lugar de Graça Foster para depor na CPI

A ex-presidente da Petrobras Graça Foster alegou problemas de saúde e pode não prestar depoimento nesta quinta-feira, 26, à CPI instalada na Câmara para investigar o esquema de corrupção na estatal. Caso ela apresente atestado médico e seja preciso adiar seu depoimento, a CPI convocará o doleiro Alberto Youssef. A informação foi dada nesta terça-feira, 24, pelo presidente da CPI, deputado Hugo Motta (PMDB-PB).

O nome do doleiro foi escolhido em uma reunião fechada entre membros da comissão, que durou mais de duas horas. Como Youssef não foi notificado até o final da manhã desta terça-feira, seu depoimento teria que ocorrer somente na tarde de quinta, para que se respeite o prazo mínimo de 48 horas. O presidente da CPI disse que só notificará Youssef depois que a impossibilidade de comparecimento de Graça for confirmada.

A convocação de Graça e Youssef já havia sido aprovada na primeira sessão deliberativa da CPI, em fevereiro. Uma nova reunião para votação de requerimentos está marcada para esta tarde. Na lista de convocações que serão apreciadas está a do tesoureiro do PT, João Vaccari Neto, apontado por delatores como responsável por receber propina para abastecer o caixa da campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff em 2010. Ele nega.

Nesta tarde, serão votados apenas aqueles requerimentos em que houve consenso entre os integrantes da comissão. Sem consenso, devem ficar de fora da votação documentos que pedem a convocação da mulher do ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato Duque, preso pela segunda vez na Lava Jato, na décima fase da Operação, e que se manteve calado na maior parte do tempo em que esteve na CPI, na semana passada.

Também não houve acordo para votar a convocação de pessoas supostamente ligadas ao PMDB, partido que comanda a CPI, a Câmara dos Deputados e o Senado. Ficaram de fora o lobista Fernando Baiano, o policial Jayme Alves de Oliveira Filho, conhecido como Careca e apontado como “carregador de malas de dinheiro” de Youssef, e o executivo da Toyo Setal Júlio Camargo, um dos delatores que afirmam ter pagado ao menos R$ 154 milhões em propina a pessoas tidas como operadores do PT e do PMDB dentro da Petrobras.

Fonte: Estadão

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje