Réveillon custará R$ 3,1 milhões à Prefeitura

Na Prefeitura de Salvador o assunto do momento é a festa de Réveillon. Os oito dias de festas custaram R$ 6,2 milhões. Destes, R$ 2,2 milhões são referentes aos custos operações e R$ 4 milhões dos cachês dos artistas. A ideia do (ainda) secretário de Cultura e Turismo, Guilherme Bellintani era captar na iniciativa privada recursos que anulassem o valor dos cachês. Não deu, mas chegou perto. Duas cotas de patrocínio R$ 2,5 milhões da Schin e R$ 600 mil do Iguatemi foram acertadas. Sendo assim, metade da festa foi paga pela iniciativa privada e a outra metade pela prefeitura.

Mas isso não tira o sono de um Bellintani que acredita que a festa será ainda melhor que a do ano passado.

Sobre legado Por falar em Bellintani, ele será secretário municipal de Educação, mas prefere não tratar do assunto ainda. Falando da agenda do Turismo e Cultura, o secretário prodígio de ACM Neto diz que deixará dois legados: um material e outro imaterial.

—Sem dúvidas a Casa do Rio Vermelho foi a obra física mais significativa destes dois anos. Do outro lado, ver as pessoas voltando a ocupar as ruas de Salvador é algo simbólico e satisfatório.

O tom é claro: é de despedida da função.

Fonte: Coluna Tempo Presente/ A Tarde

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje