PV defende energia eólica e quer fechar as usinas nucleares

Crítico do programa Mais Médicos, que ele chama de “eleitoreiro”, e defensor de um reforma política radical, que tenha “menos Brasília”, o médico sanitarista Eduardo Jorge, 64, decidiu ser o candidato do PV ao Planalto para fortalecer o partido.

O principal objetivo do candidato é expor as ideias do PV para, quem sabe, se aproximar do que a sigla faz na Alemanha -onde, segundo Jorge, sempre tem um pouco menos de 10% das intenções de voto nos pleitos.

“O papel do PV lá é ter bons quadros, que possam ajudar a melhorar a qualidade de vida das pessoas”, diz Jorge, pai de seis filhos, avô de um neto e casado há 41 anos.

Jorge começou a militar na política aos 18 anos, no extinto PCBR (Partido Comunista Brasileiro Revolucionário) e depois participou da fundação do PT. Foi secretário municipal da Saúde de São Paulo nas gestões petistas de Luiza Erundina e Marta Suplicy. No PV desde 2003, foi secretário municipal de Meio Ambiente de José Serra (PSDB) e Gilberto Kassab (PSD).

Folha – Por que votar no Partido Verde?
Eduardo Jorge – A nossa proposta está baseada no desenvolvimento social, ambiental e econômico. Também somos totalmente favoráveis a uma cultura de paz mundial, marcada por uma convivência harmoniosa entre os povos.

O senhor, como médico sanitarista, irá fazer qual tipo de reforma na área de saúde?
O nosso sistema de saúde está a favor da doença e deve ser o contrário. Precisamos de uma saúde que seja focada na área de prevenção. O nosso Sistema Único de Saúde [quando foi deputado ele ajudou a fazer leis para regular esse sistema] é um dos melhores do mundo. Precisa de mais recursos, mas também de mais gestão estratégica.

Nessa linha, então, o Programa Mais Médicos, do governo federal, tem uma direção correta na sua opinião?
Não. O programa foi feito porque vai ter eleição, e o governo precisava mostrar alguma coisa nessa área. Ele é oportunista e eleitoreiro. Não tem problema nenhum em importar médicos, todo o mundo faz isso. Mas eles precisam passar pelos métodos de validação do país.

Candidato, qual é a posição do PV em relação ao rumo energético do país?
Existe uma espécie de fetiche pelo petróleo atualmente. Que é um tipo de energia poluente. Nós somos pela energia limpa, pretendemos fazer uma revolução com as energias eólica e solar. Também vamos acabar com o acordo com a Alemanha e fechar as usinas nucleares em Angra. Nosso acordo, se a Alemanha quiser fazer a troca, será com energias limpas, que eles também têm.

Qual é a reforma administrativa que o PV defende?
Vamos investir no município. Brasília precisa apenas regular e ter um papel importante no planejamento estratégico do país. Somos pela democracia representativa.

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje