Protesto denuncia desemprego provocado por crise na Petrobras

IMG_20150720_091203103

Representantes dos trabalhadores desempregados das empresas terceirizadas que prestam serviços à Petrobras se reúnem com o governador Rui Costa na tarde de hoje (21/7) para solicitar apoio do governo do estado. Nesta segunda-feira (21/7), eles realizaram manifestação na entrada da Fazenda Bálsamo, em Esplanada. A mobilização chamada de “ato em defesa da Petrobras e do emprego”, reuniu cerca de 400 trabalhadores no local onde a petrolífera mantém poços de perfuração.

Liderada por movimentos comunitários dos municípios de Araçás, Entre Rios, Esplanada e Acajutiba, com o apoio das centrais sindicais CUT e CTB, a manifestação denunciou o fechamento de 1.500 postos de trabalho no Litoral Norte/ Agreste de Alagoinhas, após a crise enfrentada pela Petrobras. Segundo dados do Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro), os investimentos da empresa no estado, que alcançou R$1,3 bilhão em 2012, este ano não deve ultrapasse R$900 milhões.

Os trabalhadores acreditam que, além do desinteresse da Petrobras em explorar poços terrestres maduros, outro fator que contribuiu para a extinção de postos de trabalho na região foi o impedimento de empresas citadas na operação Lava Jato receberem recursos da empresa. Somente a terceirizada GDK demitiu em maio deste ano 270 profissionais, após ser incluída no processo e não renovar seu contrato de prestação de serviços com a Petrobras.

 

Coordenadora da Asvime, associação que capacita mão de obra local, Rita Costa, faz parte da comissão que organiza o protesto. Ela afirma que “no momento em que essas empresas terceirizadas fecham não restam opções de emprego e muitos pais de família precisam deixar suas casas em busca de trabalho em Salvador ou outros estados”.

Fonte: Asvime

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje