Polícia concluiu que morte de delegado foi latrocínio

ricardo-e-claudio-morte-de-delegado_1638644

A Polícia Civil concluiu que o delegado Luís Carlos Ribeiro Coutos, 59 anos, assassinado a tiros em frente ao condomínio onde morava, em Lauro de Freitas, foi vítima de latrocínio [roubo com resultado morte]. O crime ocorreu no dia 2 de abril deste ano.

Segundo a força-tarefa responsável pelas investigações, a prisão de Ricardo Martins Batista Santos, 33, o terceiro envolvido, encerra o caso e descarta a hipótese de execução. Apresentado nesta quarta-feira, 25, em coletiva à imprensa, o acusado dirigia o Renault Sandero que o conduziu até o local do crime junto com os outros dois comparsas.

O autor dos disparos, Cláudio Neves dos Santos, o Claudinho ou Neném, 20 anos, e um menor de 16 foram capturados em 6 de abril, na Avenida Vasco da Gama. Eles estavam num veículo roubado e portavam a arma usada para atirar em Luís Carlos. Em depoimento, os três suspeitos, entretanto, confessaram que a intenção era roubar a corrente, o bracelete, o anel e o relógio da vítima.

De acordo com delegado Odair Carneiro, titular da Delegacia de Homicídios Múltiplos (DHM), os criminosos disseram  não saber que o alvo deles era um policial. “Eles saíram de Salvador dispostos a praticar assaltos na região. Como viram Luís Carlos  com acessórios de ouro, Cláudio e  o menor então  decidiram atacá-lo”, afirmou.

Conforme as investigações, o trio já  possuia passagens por roubos  anteriores e costumava agir  junto  na capital e na Região Metropolitana.

Não houve troca de tiros

O delegado Odair Carneiro disse que, momentos antes de ser morto, Luís Carlos havia ido em seu apartamento pegar a arma, após notar um outro carro suspeito circulando em frente ao condomínio.

“Esse veículo, cujo motorista é um profissional que ouvimos e nada tem a ver, acabou tirando sua atenção. Foi aí que os assaltantes agiram. Ele não chegou a trocar  tiros, como foi noticiado à época”, afirmou.

No depoimento, os acusados disseram que dispararam contra o delegado porque ele fez um movimento brusco. Luis Carlos,  policial civil há 23 anos, era plantonista da 11ª DT (Tancredo Neves).

Fonte: A Tarde

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje