O espelho d’água do Congresso é o limite para manifestantes, diz PM

Com dois protestos simultâneos previstos para a tarde desta quinta-feira (20) em Brasília, a Polícia Militar do Distrito Federal montou uma estratégia para impedir que manifestantes se aproximem do Congresso Nacional e ocupem, novamente, a laje do Legislativo nacional.

“O espelho d’água do Congresso vai ser o limite para os manifestantes. Iremos fazer um bloqueio”, disse à Folha o coronel Zilfrank Antero, chefe de comunicação social da PM. Segundo ele, uma tropa convencional vai estar alinhada logo depois do primeiro espelho d’água bloqueando o acesso dos manifestantes ao prédio da Câmara e do Senado.

A tropa de choque vai estar de prontidão nos arredores do Congresso para agir “em último caso”, diz o coronel.

A polícia legislativa, que já havia cercado com grades o acesso às cúpulas do Senado e da Câmara, também montou esquema de segurança especial. As visitas guiadas foram suspensas até sábado e foram retirados obras de arte e presentes de chefes de Estado que ficam expostos no salão verde da Câmara.

A segurança será realizada de forma conjunta pelas polícias legislativas da Câmara, do Senado e pela PM. A direção das três polícias se reuniu nesta semana para definir a forma de atuação durante a manifestação marcada para esta tarde. O objetivo é proteger a integridade física dos manifestantes, dos servidores e dos parlamentares e também preservar o patrimônio público.

Desde o início da manhã desta quinta, policiais controlam o acesso de veículos ao Congresso. Apenas carros oficiais de deputados, senadores e servidores podem descer a rampa que dá acesso à parte inferior do Congresso, conhecida como chapelaria. Os carros também estão impedidos de estacionar ao redor do prédio.

Os comandos da Câmara e do Senado distribuíram uma nota informativa aos servidores sobre o esquema de segurança. A Direção-Geral do Senado afirma que “cumprindo com o dever de zelar pela integridade física das pessoas e pelo patrimônio público, informa que, a exemplo de situações anteriores, todas as medidas de segurança foram adotadas”. A direção da Câmara justifica apenas as mudanças no estacionamento.

DANOS

A Polícia Militar planeja deixar livre para veículos apenas uma das seis faixas do lado sul do Eixo Monumental, a principal via de acesso ao Congresso Nacional. Na segunda-feira, quando 10.000 pessoas se concentraram no gramado central do Congresso, parte do grupo chegou a ocupar a marquise do prédio e fechou toda a via.

A cúpula que representa a Câmara foi pichada com a expressão “DCE UnB” e houve também manchas de mão com tinta vermelha. Foram danificadas 20 peças de mármore na laje e na rampa de acesso ao prédio.

No Departamento de Polícia Legislativa, foram registradas três ocorrências. Duas referentes a carros danificados que estavam no estacionamento da Casa. A outra ocorrência registrou objetos encontrados na área externa da Câmara: seis garrafas de gasolina, vários pedaços de madeira, uma pedra grande e um martelo.

A Câmara vai investigar ainda os danos ao patrimônio público: as duas vidraças quebradas e as pedras de mármore da cobertura do Congresso. Estão sendo analisadas fotografias e vídeo, para que se verifique a possibilidade de identificação de autoria dos danos.

MAIS PROTESTO

Na manhã desta quinta, outros dois protestos menores, reivindicando melhores condições de trabalho, tumultuaram o trânsito da capital federal.

Motoristas e cobradores de ônibus deixaram a cidade satélite de São Sebastião sem transporte coletivo. Na região central, servidores do DF também fizeram passeata e chegaram a ocupar todas as faixas do Eixo Monumental próximo ao Palácio do Buruti, sede do governo local.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje