Lupatech demite 90 trabalhadores e quer pagar rescisões em 15 vezes

LUPA

Empresa sediada em Catu, a Lupatech demitiu no mês de março 90 trabalhadores em função da crise do segmento petrolífero e da desmobilização de investimentos da Petrobras na Bahia, que possui campos maduros com baixa produção. Os profissionais desligados representam aproximadamente 25% da mão de obra da Lupatech.

No dia 10 de abril, prazo máximo para o pagamento das rescisões trabalhistas, a direção da empresa depositou apenas a primeira parcela dos valores devidos, alegando que não tem condições de pagar o total, cerca de R$ 1.500.000,00, de uma única vez. A CLT determina que rescisões têm que ser pagas 30 dias após a comunicação do desligamento do funcionário. Infringindo a lei, a Lupatech que pagar o montante em 15 vezes.

Sem a concordância do Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro), as homologações trabalhistas não foram efetivadas e os demitidos resolverem agir nesta quinta-feira visando paralisar as atividades das cinco sondas da empresa que exploram petróleo nos campos de Pojuca, Araçás, Esplanada e Entre Rios. Em Araçás, a Lupatech tem duas sondas.

Com a mobilização dos demitidos, que impediram a entrada e saída de veículos das áreas de exploração, a mudança de turno e o transporte do petróleo, a empresa não teve condições de funcionar normalmente. A paralisação, de acordo com uma comissão dos demitidos, será suspensa apenas quando a Lupatech pagar os direitos trabalhistas conforme determina a lei.

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje