Lídice descarta acordo com o DEM

As especulações nos bastidores políticos de que o DEM poderia deixar de existir para se fundir com outras agremiações começaram logo após a reeleição da presidente Dilma Rousseff, e a derrota, na Bahia, da chapa majoritária da oposição, com Paulo Souto como candidato ao governo baiano, e Geddel Vieira Lima para o Senado.

Passados dois meses das eleições, as especulações continuam e com força. Dessa vez, circula nos corredores do Palácio Thomé de Souza e entre filiados democratas da Bahia que há a possibilidade de a legenda se juntar com o PSB ou com o PMDB. Tão logo se passou a eleição, a fusão com o PSDB também foi ventilada.

Segundo afirmam alguns políticos, o DEM teria perdido muita força no País e em território baiano com a derrota de Aécio Neves (PSDB) e da chapa majoritária da Bahia. Apesar disso, as legendas em questão negam qualquer tipo de fusão por enquanto.

A senadora Lídice da Mata, presidente do PSB na Bahia, disse, ontem, não existir qualquer chance de o prefeito de Salvador, ACM Neto, se aliar a sua sigla. “Não existe essa possibilidade”, afirmou, de forma resumida, a senadora. Tal informação estaria sendo circulada por causa da aproximação que o Solidariedade tem com PSB em âmbito nacional, e em âmbito estadual. O prefeito ACM Neto afirmou, ontem, que todas as informações que estão sendo ventiladas não passam de especulação.

Segundo os bastidores, a estratégia de se fundir com outros partidos seria uma das formas encontradas pelo democrata para se fortalecer em uma possível candidatura ao governo baiano em 2018, ou ganhar mais tempo na propaganda política eleitoral em 2016, quando tentará se reeleger para a Prefeitura de Salvador.

No primeiro turno das eleições de 2012, o prefeito só tinha cinco minutos de propaganda, enquanto seu adversário teve 15 minutos.

A fusão seria por uma questão de sobrevivência, tendo em vista a redução de quase 50% da bancada federal do DEM, que tinha 43 parlamentares e em 2015 terá apenas 12.

Esta diminuição de parlamentares colaborará com a diminuição do tempo na propaganda política dos futuros candidatos a prefeito pelo Democratas e pode diminuir a participação da sigla em comissões.

Na ocasião, o presidente da sigla a nível nacional, Agripino Maia, também descartou qualquer fusão.

Fonte: Tribuna da Bahia

 

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje