Fisioterapeuta de 26 anos com síndrome de Down toma posse como vereadora no RS

A suplente de vereadora Luana Rolim de Moura (PP), 26, com síndrome de Down, fez história no início desta semana na Câmara de Santo Ângelo, na região das missões, no Rio Grande do Sul. Ela tomou posse como vereadora –virtualmente, em razão da pandemia.

Neste domingo (21), comemora-se o Dia Internacional da Síndrome de Down.

A gaúcha Luana Rolim, que é fisioterapeuta, concorreu ao cargo de vereadora pela primeira vez em 2020 e conquistou 633 votos, ficando como a primeira suplente do PP. Devido a um problema de saúde, o titular da bancada, vereador Nivaldo Langer de Moura, saiu de licença e abriu espaço para a jovem.

’Este era meu sonho. Sempre fui muito estimulada pelos meus pais a estudar e trabalhar, e agora quero me dedicar dentro da política com projetos ligados aos direitos dos cadeirantes, LGBTs e pessoas portadoras de síndrome de Down, entre outros’’, disse a nova vereadora à Folha por telefone.

Luana é filha única. Quando criança, nos primeiros dois anos, frequentou a Apae (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), e posteriormente ingressou no jardim de infância e pré-escola em colégios regulares.

Segundo a mãe, Maria Lúcia de Moura, Luana cursou o ensino fundamental e médio, e foi oradora da turma. “Ela participava de todas as atividades que a escola oferecia, como balé, capoeira, teatro, música, dança e futebol. Ela sempre gostou de participar de tudo’’, contou a mãe.

Depois, prestou vestibular para o curso de fisioterapia pela Faculdade CNEC de Santo Ângelo, sua cidade natal. “Escolhi cursar fisioterapia porque gosto muito de tratar as pessoas, em especial pacientes portadores com deficiência intelectual’’, disse Luana.

Com o tema para o trabalho de conclusão de curso “O tratamento de gameterapia nos portadores de paralisia cerebral”, ela abordou o uso de videogames em sessões fisioterapêuticas, neurológicas e ortopédicas como forma de reabilitação de pacientes mais dinâmica e recreativa.

Ela pretende dividir as funções de vereadora e fisioterapeuta com um futuro curso de pós-graduação.

‘’Sofri, sim, preconceito, mas os incentivos de outras pessoas eram bem maiores e eu usava isso a meu favor, ignorando episódios desagradáveis’’ disse.

 

Fonte: Folha de São Paulo – Foto: Maria Lúcia de Moura/ Arquivo Pessoal

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje