Bahia recebe primeiro médico estrangeiro inscrito em programa federal

O primeiro profissional inscrito no Programa Mais Médicos para trabalhar na Bahia chegará a Salvador na tarde desta sexta-feira (23). O médico português Raul dos Reis Ramalho será recebido pelo secretário da Saúde, Jorge Solla, no Aeroporto Luis Eduardo Magalhães. Na oportunidade, o secretário e o médico concedem entrevista coletiva, na Sala VIP.

Doze municípios baianos irão receber médicos estrangeiros pelo programa do Ministério da Saúde. Ao todo, são 30 profissionais de outras nacionalidades que foram formados em universidades de fora do país. Há ainda 11 brasileiros que cursaram Medicina em faculdades estrangeiras e também foram selecionados pelo Mais Médicos.

Dos 12 municípios baianos escolhidos por estrangeiros, seis não foram selecionados por nenhum brasileiro. Quando o programa foi lançado, no mês passado, 317 cidades baianas se inscreveram solicitando, ao todo, 1.382 médicos. A baixa adesão dos profissionais, todavia, deixou 254 municípios de fora – o número de vagas preenchidas equivale a pouco mais de 10% da demanda. Em todo o país, foram abertas 10 mil vagas, mas somente 1.618 profissionais se candidataram.

O secretário Jorge Solla comemorou o resultado, já que o processo de inscrição deu aos médicos a opção de escolher qual cidade do país gostariam de trabalhar. “E a Bahia foi o estado mais procurado. O resultado foi positivo diante a indisponibilidade dos profissionais”, disse. Segundo o Ministério da Saúde, dos 63 municípios escolhidos pelos médicos, 49 deles estão em regiões de extrema pobreza.

O secretário salienta que a desconfiança dos profissionais estrangeiros foi o que determinou a baixa adesão. “Você tem que imaginar que pra alguém para sair da Espanha para vir para cá para um programa que está começando, fica inseguro. À medida que for funcionando, vai atraindo novos profissionais”, disse.



Argentinos e espanhóis são maioria entre os estrangeiros
Entre 26 de agosto a 13 de setembro, os médicos estrangeiros que chegarem ao Brasil receberão treinamento sobre saúde pública brasileira e língua portuguesa, com carga horária de 120 horas. Após a aprovação, começam a atender a população. Depois de avaliados, receberão um registro profissional provisório.

Durante o período de atuação, as prefeituras que receberão esses profissionais serão responsáveis pela alimentação e moradia dos médicos. Dos 522 estrangeiros ou brasileiros formados no exterior que vêm trabalhar no Brasil, com remuneração de R$ 10 mil mensais e despesas de hospedagem pagas, a maior parte tem registro profissional na Argentina (141), Espanha (100), Cuba (74), Portugal (45) e Venezuela (42). Ao todo, são 32 países de atuação.

Segundo o Ministério da Saúde, os 74 médicos que atuam em Cuba não são cubanos – as inscrições foram individuais e o processo com Cuba é feito por acordos entre países.

Fonte: Correio da Bahia

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje