AB Inbev revisa acordo para conseguir comprar grupo mexicano Modelo

A cervejaria belgo-brasileira AB Inbev, maior companhia do setor no mundo e dona da Ambev, informou nesta quinta-feira que revisou os termos de compra do grupo mexicano de bebidas Modelo para evitar restrições impostas pelos Estados Unidos ao negócio.

Da forma como vinha sendo conduzido, o negócio, de mais de US$ 20 bilhões, era considerado “concentrador de mercado” pelas autoridades americanas.

A Anheuser Busch, da Inbev, possui 39% do mercado de cervejas nos Estados Unidos e a mexicano Modelo, a terceira maior, tem 7%. Juntas, teriam 46%. No Brasil, a Ambev, parte da AB Inbev, possui 68% do mercado.

A empresa –que já tinha oferecido se desfazer dos 50% que a Modelo tem na Crown, maior importadora da cerveja Corona nos EUA, vendendo-a por cerca de US$ 1,9 bilhão– agora concordou em vender a cervejaria Piedras Negras, do grupo Modelo, para a Constellation, garantindo a ela direitos perpétuos pela marca Corona e outras marcas do grupo mexicano nos EUA, por US$ 2,9 bilhões.

ENTENDA O CASO

O Departamento de Justiça dos Estados Unidos havia aberto um processo para bloquear o negócio, afirmando que o acordo eliminaria um concorrente independente, podendo levar a maiores preços de cerveja no mercado norte-americano.

O processo é o primeiro grande caso do novo chefe do principal órgão de defesa de concorrência nos Estados Unidos. Há um mês no cargo, William J. Baer, 62, falou a jornalistas americanos que, se houver um pequeno aumento no preço da cerveja a partir desse negócio, os consumidores acabarão pagando “bilhões de dólares a mais”.

O órgão não estava convencido de que o plano inicial divulgado pela AB InBev, de vender a fatia de 50% na importadora norte-americana de cervejas Crown Imports para a maior empresa de vinhos do mundo, a Constellation Brands, seria suficiente para solucionar o problema.

O Departamento de Justiça havia afirmado que, quando as duas líderes do segmento –AB InBev e MillerCoors– aumentavam preços, a rival menor Modelo não costumava acompanhar o movimento, ganhando assim participação de mercado. Ou seja, com a aquisição dela, esse cenário –no qual a Modelo ganha participação de mercados ao não subir seus preços– não existiria mais.

Quando o processo foi aberto, o American Antitrust Institute, uma organização não governamental a favor da concorrência, comemorou a ação e disse que já existe duopólio no mercado de cervejas no país entre AB Inbev e Sab Miller, e que a Modelo representa um “influente, criativo e ativo competidor” no mercado cervejeiro. As três detêm 72% do mercado.

A decisão das autoridades considerou que a Inbev continuaria a fornecer para a Crown as cervejas Corona e outras do grupo Modelo, além de ter a opção de recomprar a importadora em dez anos.

A consultoria Bernstein Research afirmou em nota que a solução apresentada agora pela AB Inbev deve eliminar as preocupações do Departamento de Justiça.

Fonte: Folha de São Paulo

Maurílio Fontes

Proprietário, jornalista, diretor e responsável pelo Portal Alagoinhas Hoje